-
06/01/2017 às 09h57

Cuidados com segurança residencial para período de férias aumentam

Cidade e Cotidiano
Cuidados com segurança residencial para período de férias aumentam
reprodução

Simples ações, como avisar vizinhos e não deixar luzes acessas, podem colaborar para maior proteção residencial e tranquilidade do proprietário

Com a chegada das festas de final de ano e das férias, muitas pessoas optam por viajar, ausentando-se de casa e deixando seus imóveis mais expostos. Por isso, é importante que o proprietário siga algumas dicas de segurança para que tenha mais tranquilidade nestes dias.

Em casa, vale prestar atenção nos seguintes aspectos:

• Antes de viajar, avise um vizinho de confiança sobre a ausência nestes dias e, se possível, solicite que ele faça uma visita à residência esporadicamente;

• Cancele a entrega de correspondências para que não se acumulem na porta, o que podem passar uma impressão de abandono do imóvel;

• Moradores de condomínio não devem deixar as chaves na portaria. Já para quem mora em casa, deve-se evitar manter o cadeado no lado de fora do portão, que pode deixar à vista que a casa está vazia;

• Não deixe as luzes acesas durante o dia;

• Não programe a secretária eletrônica com mensagens de ausência;

• Realize um treinamento com todos os frequentadores do imóvel após a instalação do sistema de segurança eletrônica;

• Evite divulgar nas redes sociais viagens e detalhes do dia a dia.

De acordo com dados da Porto Seguro Proteção e Monitoramento, a procura por sistemas de alarmes no período anterior às férias tende a aumentar, comparada aos outros meses do ano. Muitas pessoas já começam a se preparar para o momento de ausência no final do ano, buscando sistemas de segurança para a proteção de bens e residências.

De acordo com Fábio Braga, Superintendente da Porto Seguro Proteção e Monitoramento, as soluções de proteção residencial possibilitam, além de segurança, maior tranquilidade aos clientes. “Ao analisar os custos da contratação de um serviço de segurança eletrônica, é importante que as pessoas considerem não só o preço do produto em si, mas principalmente o custo-benefício do sistema e a proteção que isso irá oferecer a todos os bens materiais da residência, isso sem contar a redução no custo de um seguro para o imóvel e, claro, o resguardo pessoal”, explica ele.