-
23/12/2016 às 10h18

Taques faz balanço da gestão e comemora avanços em saúde, segurança e infraestrutura

Cidade e Cotidiano
Taques faz balanço da gestão e comemora avanços em saúde, segurança e infraestrutura
Gcom-MT/Junior Silgueiro

O governador Pedro Taques comemorou nesta quinta-feira (22.12) os resultados obtidos nos dois anos de sua gestão à frente do Governo de Mato Grosso. O chefe do Executivo concedeu entrevista ao programa Resumo do Dia, da TV Brasil Oeste. Na oportunidade, Taques pontuou as obras realizadas nos últimos 24 meses e as ações para garantir saúde e segurança aos mato-grossenses. 

O primeiro tema abordado por Roberto França, apresentador do programa, ao governador foram as rodovias estaduais da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá e no interior do estado. Taques fez um comparativo dos dois anos da atual gestão, com a gestão anterior. Nos últimos dois anos foram feitos 1.430 quilômetros de pavimentação, ante 886 quilômetros realizados nos quatros anos da antiga administração, entre pavimentação nova e reconstrução. 

“Mesmo no momento de crise que estamos vivendo, nós estamos conseguindo saldar os compromissos que assumimos com a população. Veja que já fizemos 1.430 quilômetros de pavimentação entre construção (712 quilômetros) e reconstrução (718 quilômetros)”. 

A maioria das obras está no interior, mas o governador destacou que o Estado trabalha na duplicação de todas as saídas de Cuiabá e citou o exemplo da MT-040, que liga a Capital ao município de Santo Antônio do Leverger. Lembrou que a obra estava parada, mas foi retomada pela gestão. Destacou ainda que o Estado não recebe mais obras sem a qualidade contratada, sobre o assunto disse que a construtora da MT-040 chegou a ser multada por conta da má qualidade da obra. 

Ainda em andamento estão as obras de duplicação dos trechos urbanos das MTs 251 e 010. Além disso, o Estado também retomará a obra do Rodoanel de Cuiabá, os recursos, segundo Taques, são de R$ 97 milhões e já estão à disposição do Governo do Estado. 

Segurança

Já na segurança pública, Taques contou que para conter a onda de criminalidade no estado, foram chamados 3.350 homens e mulheres para as forças de segurança. “Mato Grosso tem hoje 15 mil profissionais de segurança e a nossa administração chamou 3.350 desse total”.

Além de mais profissionais, o chefe do Executivo afirmou que o Estado também trabalha para dar condições de trabalho aos profissionais de segurança. Destaca o aluguel de viaturas como L200 e Trailblazer. No mesmo sentido também foram comprados mais de 4 mil coletes à prova de balas e armamento para atender a demanda e divulgou que está em negociação uma parceria com a Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) para a aquisição de novos uniforme aos policiais. 

Segundo o governador, o Estado trata a segurança de forma integrada, com ações que envolvem educação, cultura e assistência social. Contou que essas ações já são refletidas no números de homicídios que diminuiu e na resolução dos crimes, através dos inquéritos policiais.

Saúde

Quanto à saúde, o governador afirmou que a gestão colocou a área como prioridade. Lembrou que em janeiro de 2015, quando assumiu a gestão do Estado. O governo tinha um déficit de R$ 40 milhões com os municípios. Mesmo com o corte de 50% da atenção básica feita por lei em 2012. 

O governador ressaltou que tinha o compromisso com a revogação da legislação que cortava o repasse e encaminhou à Assembleia Legislativa proposta neste sentido, o que possibilitou o repasse de R$ 70 milhões aos municípios na atenção básica, ante R$ 35 milhões feitos em 2015.

Também na saúde, Taques afirmou que o Estado tem trabalhado na reconstrução da rede com apoio ao Hospital São Benedito que já fez mais de 4 mil cirurgias de alta complexidade. Além da construção do novo Pronto-Socorro de Cuiabá e do novo prédio do Hospital Julio Müller. 

Outro comparativo feito pelo governador foi quanto aos leitos de UTIs. Segundo ele, a atual gestão credenciou 204 leitos em 24 meses, enquanto de 2010 a 2014, a gestão anterior havia contextualizado apenas 57 novos leitos. “A diferença é absurda, mas não cabe ao governador pedir paciência ao cidadão. Ainda não conseguimos resolver todos os problemas da saúde, apesar dos esforços do secretário João Batista Pereira e dos quase 5 mil servidores da saúde”, completou.