-
27/09/2019 às 12h44

Deputado denuncia apoio da imprensa ao impeachment de Trump

Mundo
Deputado denuncia apoio da imprensa ao impeachment de Trump
Reprodução Internet

“A transcrição da ligação já desmentiu a asserção central [da denúncia contra Trump]”, disse o deputado Devin Nunes.


O republicano Devin Nunes, congressista da Califórnia, afirmou, nesta quinta-feira (26), que os democratas e velha imprensa criaram uma “fake news” para impulsionar o impeachment do presidente norte-americano Donald Trump.


Membro do Comitê de Inteligência da Câmara, Nunes fez um discurso forte durante o depoimento do Diretor Nacional de Inteligência na manhã de ontem.


Segundo a emissora Fox News, Devin Nunes declarou:


“Quero parabenizar os Democratas pelo lançamento de sua mais recente operação de guerra de informação contra o presidente e por sua extraordinária capacidade de recrutar novamente a grande mídia em sua campanha.”


Citando a narrativa desmentida de um suposto conluio da Rússia para ajudar Trump, o congressista republicano acrescentou:


“Esta operação começou com relatos da mídia — os principais instigadores do falso conluio com a Rússia — de que um denunciante está alegando que o presidente Trump fez uma nefasta ‘promessa’ a um líder estrangeiro.”


Durante esta mesma sessão do Comitê, como você viu na RENOVA, o deputado democrata Adam Schiff (D-CA) optou por ignorar a transcrição do telefonema entre Trump e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e ler uma conversa fictícia.


Fazendo referência ao comentário de Schiff, o deputado Devin Nunes completou:


“A transcrição da ligação já desmentiu a asserção central [da denúncia], mas isso não importa. Os Democratas simplesmente mudaram de posição e começaram a alegar que não é necessário o toma-lá-dá-cá para que essa conversa sirva de base para o impeachment do presidente “.


Nunes completou dizendo que a imprensa usou o mesmo manual de ataque para manter viva a narrativa de que a campanha de Trump conspirou com a Rússia para derrotar a democrata Hillary Clinton, em 2016.