-
23/02/2018 às 14h24

Gusttavo Lima pede Revogação do Estatuto do Desarmamento e revela apoio a Bolsonaro

Estilo
Gusttavo Lima pede Revogação do Estatuto do Desarmamento e revela apoio a Bolsonaro
Retrattos Studio Fotográfico

O sertanejo Gusttavo Lima, um dos cantores mais respeitados do país e um dos mais seguidos nas mídias sociais, fez uma postagem na noite da última quinta-feira (22) que viralizou. 


O cantor sertanejo publicou um vídeo no Instagram, onde é filmado enquanto faz treinamento de tiro no “Ares Firearms Training”, nos Estados Unidos. Na legenda, Lima pede o fim do Estatuto do Desarmamento e declara apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro.


A postagem rendeu, em poucas horas, um ganho de mais de 200 mil seguidores ao cantor. Além de milhares de manifestações de apoio ao cantor. Numa clara afirmação da sociedade para o fracasso incontestável da política marxista de desarmamento civil.


Gusttavo Lima costuma fazer postagens com a família, e demonstra claramente, sem nenhuma restrição, ser um cristão e defensor dos valores e tradições. 


O texto da postagem inicial fazia referência ao treinamento de tiro; e logo após um internauta, o analista político Manoel Carlos, lembrar ao cantor sobre a importância da revogação do estatuto do desarmamento e a defesa da família, o cantor editou o texto e fez a referência sugerida, além de revelar seu apoio a Bolsonaro.



Veja o texto da postagem:


"Hoje em dia no Brasil só está desarmado o cidadão de bem, o cidadão armado é a primeira linha de defesa de um país. Revogação do Estatuto do desarmando já... Nossas família e nossas casas protegidas, Barrett .50... Tarde de tiro, thank You brooo @mullertraining !!! #bolsonaro2018".


O analista político Manoel Carlos também é um estudioso sobre o tema e em um artigo, de sua autoria em parceria com o parlamentar, Professor Galli, da Frente “Armas pela Vida”, publicado no site de Bene Barbosa, traz um compilado de estudos, argumentos e pesquisas que vale a pena acrescentar nesta matéria, segue trecho do artigo:


Estamos prestes a realizar alterações no Estatuto do Desarmamento, pelo Projeto de Lei n. 3722/2012, e muitos mitos ainda pairam sobre essas alterações. Vimos que  algumas dessas “estórias” fantasiosas são difundidas com o objetivo de confundir a população brasileira, outros por ignorância e/ou despeito, Entre os mitos estão: (1) uma pessoa, mesmo com antecedentes criminais, poderá adquirir uma arma; (2) não haverá limites para comprar munição; (3) será permitida a compra de armamento exclusivo das forças armadas; (4) professores poderão portar armas em sala de aula; (5) uma pessoa investigada por crimes violentos poderá comprar uma arma; (6) a pessoa que for pega sob efeito de drogas ou álcool não perderá seu porte e (7) qualquer pessoa, sem qualquer critério, poderá adquirir uma arma. Afirmo, categoricamente, que estes pontos não são verdadeiros e este discurso não pode prevalecer sobre a verdade dos fatos, sobre a verdade do Projeto n. 3722/12 e nem sobre a verdade dos dados oficiais que revelam o fracasso desta política desarmamentista.


Estamos vendo crimes com o uso armas de fogo? A resposta é sim. Mas estes crimes são cometidos com o uso de armas ilegais, e por marginais. Armas legais e em posse de indivíduos de bem não estão nas páginas policiais. E o argumento de que as armas legalizadas são roubadas e caem nas mãos de marginais, não é verdadeiro. Os dados indicam que as armas utilizadas no crime são objetos de tráfico, na sua maioria esmagadora. O número de armas registradas que são roubadas para abastecer o crime é ínfimo. Mesmo que roubassem todas as armas registradas legalmente no Brasil, algo em torno de 600 mil, não chegaríamos ao montante de 10 milhões, o número estimado de armas ilegais em circulação no território nacional. Não são armas registradas legalmente, portanto, que estão nas mãos dos assassinos, dizimando brasileiros indefesos.

 

E, para efeito comparativo, nos EUA existem mais de 300 milhões de armas de fogo em mãos de civis. A relação é de 83 a 96 artefatos por 100 habitantes, quase uma arma de fogo para cada cidadão norte americano. Os dados foram divulgados pelo “Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime” (UNODC) e pelo “SmallArmsSurvey”. Esse número posiciona os Estados Unidos como a nação mais bem armada do planeta e com taxas de homicídios infinitamente menores do que o Brasil.  Estes números dos Estados Unidos indicam 5,4 mortes por 100 mil e no Brasil a taxa é de 32,4 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes, o que desmonta, novamente, a relação entre o número de assassinatos e o de armas nas mãos de cidadãos cumpridores da lei (Fonte: Relatório Sobre a situação Mundial da prevenção à Violência – OMS/PNUD/UNODC).

 

Muitos desarmamentistas usam a falácia de que brasileiros são “esquentadinhos” e despreparados, como se os exemplos positivos fossem retirados somente da Suíça, Estados Unidos e nações com índices educacionais elevados. Os resultados positivos, porém, podem ser encontrados no Paraguai, país vizinho ao Brasil, considerado de 3º mundo, armamentista e com baixíssimos índices de criminalidade e homicídios. Ainda sobre o temperamento, cultura e educação, devemos trazer a verdade para o debate. Mesmo com o PL 3722/12, o registro e porte de armas no Brasil, considerando o restante do planeta, continuará sendo o mais rigoroso e exigente.


Segue o link do artigo completo no site do especialista em Segurança Pública, Bene Barbosa: http://www.cadaminuto.com.br/noticia/299473/2017/02/15/quando-um-deputado-faz-e-muito-bem-o-dever-de-casa



Samui

Ganhou mais uma fã Gustavo Lima!!!!!!

23/02/2018 22:08