-
31/01/2017 às 12h36

Operação desarticula quadrilha que lesou cerca de 800 pessoas

Justiça
Operação desarticula quadrilha que lesou cerca de 800 pessoas
A Operação Adrenalina envolveu as polícias civis de São Paulo e Mato Grosso (reprodução)

Polícia descobriu esquema funcionando dentro de presídios do Estado


As polícias civis de São Paulo e Mato Grosso deflagram nesta terça-feira (31) a Operação Adrenalina, com o objetivo de desarticular organização criminosa composta por 31 pessoas, sob controle de detentos de presídios de Cuiabá e Rondonópolis, que praticam estelionato, extorsão e lavagem de capitais.

 

Praticados pelo telefone, os crimes consistem em quatro principais tipos de condutas: falso diretor clínico de hospital contra parentes de pessoas internadas em UTIs; falso membro do Ministério Público Federal em fiscalização a prefeituras; falso sequestro; falso parente em apuros, entre outros.

Conforme informações da Polícia Civil, na operação estão sendo empregados 80 policiais civis (15 delegados de polícia e 65 investigadores, escrivães e agentes policiais) e 25 viaturas das polícias civis dos dois Estados para o cumprimento de 35 mandados, sendo 14 de prisão temporária e 21 de busca e apreensão, todos em Mato Grosso - nas cidades de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop, Cáceres e Campo Verde.

As investigações policiais que resultaram na Operação Adrenalina iniciaram há quatro meses pela Central de Polícia Judiciária de Presidente Venceslau, da Polícia Civil de São Paulo, que identificou o envolvimento de 31 pessoas, das quais 8 estavam em presídios de Mato Grosso, de onde praticavam golpes fazendo vítimas em oito Estados e no Distrito Federal.

Os trabalhos estão relacionados às atividades de inteligência do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior (Deinter 8) de Presidente Prudente, que identificou, por meio de análise de metadados, um significativo aumento dos registros desse tipo de ocorrência no interior de São Paulo, do que resultou determinação para o início das investigações para o completo esclarecimento.

O objetivo da operação é interromper o que a Polícia Civil paulusta considera "incessante prática criminosa" que, somente nos últimos quatro meses, lesou mais de 800 pessoas nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Rio Grande do Sul, Rondônia, Mato Grosso do Sul e também no Distrito Federal.

Por midia news