-
11/03/2019 às 12h48

Agências de Fact Checkin se contradizem e 'ESTADÃO realmente mentiu'

Política
Agências de Fact Checkin se contradizem e 'ESTADÃO realmente mentiu'
Reprodução Web

O Editorial de “O Estadão” afirmou, por meio de nota, na noite do último domingo (10) que a jornalista Constança Rezende não foi a primeira profissional da equipe a realizar a reportagem sobre o caso envolvendo o motorista de Flávio Bolsonaro e que as aspas não correspondem exatamente ao trecho da gravação, negando inclusive que a jornalista tenha conversado com o jornalista francês Jawad Rhalib, mas não nega que a voz da gravação seja de fato de Constança.


Segundo a nota de “O Estadão”, o primeiro jornalista a repercutir os documentos do COAF foi Fábio Serapião, que também faz parte do quadro de jornalismo do site “O Estadão”. O site não nega que Constança faça parte de sua equipe e não nega que a gravação seja de sua jornalista.


E, como as Agências de Fact Checking e o Estadão foram tão rápidos em realizar uma perícia técnica nas gravações?


Os principais sites do país, incluindo o UOL, Folha, Catraca Livre e Estadão deveriam ser enquadrados pelas Agências de Checagem, de fact-checking? Pois ao tentarem desmentir o site “Terça Livre” praticaram, em tese, uma grosseira Fake News, já que a própria Agência de Checagem, LUPA, afirmou reconhecer, em sua “análise”, que o site autor da denúncia não foi o Terça Livre, mas o site francês Mediapart.


A Agência de Checagem “AOS FATOS”, parceira da grande mídia brasileira, pode ter cometido uma grave contradição em seu texto de “checagem”, vejamos:


Em um trecho do texto publicado, afirmam que o site “Terça Livre” foi o denunciante originário; e logo em seguida, em outro trecho do texto, afirmam que a denúncia partiu do site francês. A Agência “Lupa” irá desmentir a “Aos Fatos”?


Conforme print 1:




Pela checagem, os principais sites brasileiros mentiram, já que a denúncia claramente partiu dos sites MEDIAPART, da França; e do The Washington Times, dos EUA.


Conforme print 2:




Entenda o caso:


Neste domingo o jornalista francês Jawad Rhalib fez uma grave denúncia contra um dos principais sites brasileiros, o ESTADÃO. Na matéria o jornalista revela áudios comprometedores envolvendo a jornalista Constança Rezende, a primeira jornalista a publicar artigos contra Flavio Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro.


O jornalista americano L. Todd Wood reforçou o coro contra o jornalismo praticado pelo Estadão: Não foi nenhuma surpresa quando uma fonte me mostrou evidência de que um documento vazado após a eleição de Jair Bolsonaro à presidência (a meta era antes de sua posse) com o objetivo de iniciar uma investigação, foram possivelmente parte de um esquema elaborado pela esquerda para derrubar um presidente conservador. Muito parecido com o que está acontecendo nos Estados Unidos contra o presidente Trump”, escreveu o jornalista L. Todd Wood.


Nos áudios a jornalista Constança Rezende revela que a intenção da grande mídia é arruinar o Governo Bolsonaro.


Os analistas Leandro Ruschel e Bernardo Küster comentaram o caso.






Com informações: The Washington Times, Aos Fatos, Lupa e Mediapart.


Manoel Carlos, analista político

Mário Roque

Desde que um candidato de direita se pôs na disputa para a presidência da República que todas as mídias têm se posicionado para derrubá-lo como nunca se viu no país. Este áudio prova exatamente o que nós já percebemos lá no início, em 2014.

12/03/2019 22:41