-
28/06/2020 às 11h24

Facebook mira ‘discurso de ódio’ após boicote de gigantes nos EUA

Tecnologia
Facebook mira ‘discurso de ódio’ após boicote de gigantes nos EUA

Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook, anunciou, nesta sexta-feira (26), mudanças na rede social para combater o “discurso de ódio”. 


A decisão vem depois que grandes empresas dos Estados Unidos, como Unilever e Coca-Cola, aderiram a um movimento de boicote, deixando de pagar por anúncios na plataforma. 


Zuckerberg disse que vai aumentar a análise do conteúdo pago e fornecer maior proteção para imigrantes, refugiados e solicitantes de asilo: 


A partir de agora, o Facebook vai eliminar conteúdos que tenham:


“Alegações de que pessoas de uma determinada raça, etnia, origem nacional, afiliação religiosa, casta, orientação sexual, identidade de gênero ou status de imigração são uma ameaça à segurança física, à saúde ou à sobrevivência de outras pessoas.”


A Unilever informou na que vai suspender até o fim do ano os anúncios publicitários feitos no Facebook, Instagram e Twitter por causa da quantidade de discurso de ódio que é permitida nas redes sociais. 


Já a Coca-Cola anunciou que, a partir de 1º de julho, vai deixar de ter anúncios nas redes sociais por 1 mês. A decisão é válida para a publicidade veiculada em todo o mundo.