-
29/06/2020 às 18h41

REVOLTA: Silvio Fávero critica parlamentares por manterem veto a projeto em benefício dos idosos e para melhorias na segurança pública

Política
REVOLTA:  Silvio Fávero critica parlamentares por manterem veto a projeto em benefício dos idosos e para melhorias na segurança pública

Após manutenção dos vetos do Governo do Estado aos Projetos de Lei 67/2020 e PL 932/2019, o deputado estadual Silvio Fávero se pronunciou, decepcionado, com duras críticas ao Poder Executivo Estadual e ao próprio parlamento por manter os vetos contra projetos voltados à preservação dos direitos dos idosos e para reforços na segurança pública.


“É impressionante como os projetos que valem para o povo são derrubados pelo governador. Os deputados também precisam refletir sobre o real comprometimento com as Leis de interesse da população. Vale lembrar que todos nós um dia seremos idosos e podemos precisar desse fundo, para manter asilos e casas que cuidam dos idosos. Já a segurança pública, nem se fala, todos os investimentos nessa área são importantes", disparou Silvio Fávero.


Se aprovado, o Projeto de Lei 67/2020, que previa a criação do Fundo Estadual do Idoso, iria garantir recursos, por meio da destinação de parte do Imposto de Renda ou ainda por multas aplicadas pelo descumprimento do Estatuto em proteção aos idosos, para aplicação em projetos, programas e serviços voltados à pessoa idosa.


“Infelizmente, vários municípios por não possuírem fundos municipais do idoso não terão acesso aos recursos originados nas doações do Imposto de Renda, tanto da pessoa física como jurídica”, complementou o parlamentar.


Atento às demandas da segurança pública, Silvio Fávero tinha proposto, por meio do PL 932/2019, a criação de um Sistema de Identificação de Veículos em Movimento no Estado de Mato Grosso (SIVEM-MT), com objetivo de integrar os dados criminais nessa área a fim de solucioná-los com mais celeridade e eficiência.


“A sociedade mato-grossense seria a maior beneficiada. Injustificável! Inaceitável também a postura dos deputados que deveriam pensar mais nas matérias de interesse da sociedade!”, finalizou o deputado.