-
25/01/2019 às 11h26

Rússia reafirma apoio ao ditador Maduro e fala em ‘banho de sangue’ na Venezuela

Mundo
Rússia reafirma apoio ao ditador Maduro e fala em ‘banho de sangue’ na Venezuela
Reprodução Terça Livre

A crise na Venezuela se agravou nos últimos dias diante de numerosos protestos contra o ditador comunista Nicolás Maduro. A ONG Observatório Venezuelano de Conflitividade Social (OVCS) já contabilizou dezoito mortos na últimas 24 horas no país vizinho.


O governo da Rússia, apoiador da ditadura latino-americana, alertou sobre a possibilidade de agravamento da crise no país a partir do estabelecimento de um processo de transição comandado por Juan Guaidó. Autoridades russas afirmaram que há riscos de redução da cooperação econômica com a Venezuela, pois a instabilidade interna impede negociações e acordos.


“É uma via direta para a anarquia e o banho de sangue”, afirmou por pronunciamento o Ministério das Relações Exteriores russo, nesta quinta-feira (24). Segundo O GLOBO, o Kremlin, por meio do porta-voz Dmitry Peskov  informou que não houve pedido de ajuda militar por parte da Venezuela. O governo russo criticou a “usurpação” do poder por parte de Guaidó e classificou Maduro como líder legítimo. Peskov destacou ser “muito perigoso” que autoridades americanas cogitem intervenção militar na Venezuela.


O presidente do Comitê de Defesa, Vladimir Shamanov, disse que a situação atual tem efeito desestabilizador, gerando reduções de investimentos. “Qualquer instabilidade,  e nós vimos isso acontecer no século passado, é sempre repleta de conseqüências.”


O presidente do Comitê de Relações Exteriores, Konstantin Kosachev, não reconheceu a legitimidade do ato de Guaidó e defendeu o ditador da Venezuela. Segundo ele, há “sinais de um golpe de Estado” no país.


QUEDA DE NICOLÁS MADURO PODE ESTAR PRÓXIMA


Diante da ilegitimidade da eleição de Maduro, o opositor do regime, Juan Guaidó, do partido Vontade Popular, se declarou presidente interino da Venezuela nesta quarta-feira (23).


“Na condição de presidente da Assembleia Nacional, ante Deus, a Venezuela, em respeito a meus colegas deputados, juro assumir formalmente as competências do executivo nacional como presidente interino da Venezuela. Para conseguir o fim da usurpação, um governo de transição e ter eleições livres”, disse Guaidó.


Após o anúncio, vários países reconheceram oficialmente Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Confira:


Brasil

Estados Unidos

Argentina

Canadá

Chile

Colômbia

Costa Rica

Equador

Guatemala

Honduras

Panamá

Paraguai

Peru

Reino Unido


Os países que continuam apoiando o ditador venezuelano são:


Rússia

Cuba

México

Bolívia

Nicarágua

Turquia


Fontes: AFP, Money Times, O Globo