-
14/09/2020 às 10h07

Vazamento massivo de dados mostra que dezenas de milhares de australianos estão sendo rastreados pelo Partido Comunista Chinês

Mundo
Vazamento massivo de dados mostra que dezenas de milhares de australianos estão sendo rastreados pelo Partido Comunista Chinês
Reprodução

Um vazamento massivo de dados mostra que dezenas de milhares de australianos estão sendo rastreados pela China. Desde celebridades, jornalistas e políticos até o primeiro-ministro do país e sua família tiveram seus dados coletados pela empresa chinesa Zhenhua Data, que possui ligações com redes de inteligência do Partido Comunista Chinês e militares chineses.


Segundo a mídia australiana, a enorme coleta de informações está sendo usada como uma ferramenta de “guerra psicológica” para manipular a opinião pública na Austrália.


O banco de dados foi publicado após vazar para um acadêmico dos EUA, Christopher Balding, e mostra que 2,4 milhões de pessoas em todo o mundo foram visadas – incluindo 35.000 australianos.


Os dados coletados pela Zhenhua Data devem ser usados pelo serviço de inteligência da China, o Ministério da Segurança do Estado, pois a empresa chinesa tem o Exército de Libertação Popular e o Partido Comunista Chinês como seus principais clientes.


O banco de dados parece se concentrar em indivíduos e instituições que a China considera “influentes ou importantes”, de políticos e suas famílias a professores e grupos de reflexão a cientistas, e líderes de tecnologia a personalidades do crime organizado.


Informações 


Os vazamentos mostram que a maioria do que Zhenhua tem coletado são dados de “código aberto”, incluindo datas de nascimento, endereços, estado civil, fotografias, associações políticas, parentes e identidades de mídia social.


“Os dados foram rastreados de plataformas conhecidas como Facebook, Twitter e LinkedIn, bem como outras”, diz o relatório sobre os dados encontrados.


“Além das informações pessoais, eles registraram informações sobre postagens, curtidas e retuítes. Isso permitiu uma ampla variedade de relacionamento e segmentação por pessoa-chave.”


No entanto, foi descoberto que até 20% dos dados não eram de código aberto, o que significa que podem ter sido obtidos na dark web ou por meio de hacking.


Essas informações podem incluir registros bancários confidenciais, formulários de emprego, perfis psicológicos e registros de funcionários do setor público.


O banco de dados incluía uma grande quantidade de registros de funcionários do setor público. Isso inclui todos, desde políticos conhecidos a assessores políticos e militares de baixo escalão. A amplitude da captura de dados foi bastante extensa, de acordo com o relatório.


Os pesquisadores e autores da descoberta relatam que, depois que a empresa chinesa criou um “perfil” dos dados, incluindo uma foto tirada de sites públicos em que os alvos mantinham contas como Twitter, Facebook ou LinkedIn, ele foi armazenado em servidores chineses disponíveis publicamente com links para cada indivíduo espionado.


Isso sugere que a Zhenhua Data faz parte de uma operação global complexa, criando perfis intrincados de indivíduos e organizações.


Lista


Há 35.000 australianos no total na lista, mas 656 são classificados como de “interesse especial” ou “politicamente expostos”.


A cantora Natalie Imbruglia foi listada, assim como o cofundador da One Nation, David Oldfield, o presidente do Partido Nacional, Larry Anthony, o filho do ex-tesoureiro, Peter Costello, a ex-parlamentar, Emma Husar, a jornalista da News Corp, Ellen Whinnett, e o diretor da ABC, Georgie Somerset.


Os pesquisadores descobriram que a lista também continha nomes de figuras criminosas em todo o mundo. Entre os nomes da Austrália estavam o autoproclamado xeque, Junaid Thorne, de Perth, e o fraudador da cidade australiana de Geelong, Robert Andrew Kirsopp.


Os pesquisadores disseram que não conseguiam entender qual era o significado da inclusão de criminosos na lista.


“Não há um motivo claro para a inclusão desse número significativo de figuras do crime organizado em nível amplamente conhecido, bem como figuras menos conhecidas em várias organizações criminosas”, disseram.


Propósito


De forma preocupante, o presidente-executivo da Zhenhua Data, Wang Xuefeng, um ex-funcionário da IBM, endossou publicamente a realização de uma “guerra híbrida” por meio da manipulação da opinião pública e “guerra psicológica”.


Os pesquisadores dizem que o “propósito fundamental” dos dados parece ser a “guerra de informação”.


O banco de dados inclui uma camada de análise de big data que permite aos analistas rastrear os principais influenciadores e como as notícias e opiniões se movem nas plataformas de mídia social”, disseram eles.


“A China, por meio de vários canais, mudou ativamente para plataformas de informação pública, tentando influenciar o debate e a narrativa sobre a China. Os dados coletados sobre indivíduos e instituições e as ferramentas analíticas sobrepostas de plataformas de mídia social fornecem à China um enorme benefício na formação de opinião, segmentação e mensagens.”


Eles dizem que também é possível que a China, mesmo em reuniões individualizadas, seja capaz de criar mensagens ou direcionar os indivíduos que eles consideram necessários.


No entanto, até agora, eles não foram capazes de obter “evidências diretas” de agências chinesas usando esses dados para criar campanhas de guerra de informação, mensagens, uso de conta anônima ou seleção de alvos por influência individual.


Consequências


O acadêmico que obteve os dados, o professor Chris Balding, diz que isso mostra a ambição da China de criar um “estado de vigilância tecnológica autoritária global”.


Ele havia trabalhado na elite da Universidade de Pequim até 2018, quando fugiu do país, devido aos temores por sua segurança física.


Morando no Vietnã, ele diz que é bem conhecido que o governo comunista chinês coleta dados comprometedores sobre seus próprios cidadãos, mas esses novos dados mostram que eles estão tentando fazê-lo em escala global.


“A ameaça da China como um estado autoritário de tecnovigilância é real e está acontecendo agora”, disse ele. “Não apenas na China, mas em todo o mundo.”


Em seu trabalho de pesquisa, ele disse que a informação vazada foi a primeira evidência direta de dados coletados pela China sobre seu monitoramento e coleta de dados sobre indivíduos e instituições estrangeiras para fins de inteligência e operações de influência.


Ele diz que a Austrália deve estar ciente do que está acontecendo.


“A combinação única de fusão civil-militar impulsionada pela China que trabalha com empresas privadas para se envolver em atividades de política de Estado, como coleta de inteligência, deve ser preocupante”, disse ele. “Os indivíduos e instituições estrangeiras que trabalham em setores sensíveis ou influentes precisam estar cientes de como a China os está direcionando para operações de influência.


“A China está usando uma variedade de empresas e canais para coletar dados para informar sua influência e operações de inteligência.”


De forma assustadora, os pesquisadores disseram que sociedades abertas e democráticas estão sendo colocadas em risco por esse tipo de guerra de informação.


“As sociedades liberais abertas não conseguem compreender as ameaças incorporadas no comunismo autoritário chinês ao ignorar a guerra não tradicional e as operações de influência”, disseram eles.


“A guerra de informação promovida pela Zhenhua tem como alvo instituições-chave nas democracias, como filhos de políticos, universidades e setores industriais importantes. Estes fluem para a transmissão de informações e formação de políticas. As democracias liberais abertas seriam sábias se melhorassem a privacidade e segurança dos dados e compreendessem as ameaças.”


Este banco de dados da Zhenhua parece ser apenas a ponta do iceberg, e mostra que o Partido Comunista Chinês está sistematicamente espionando milhões no Ocidente como potenciais alvos de inteligência. Qualquer pessoa com influência deve saber que o governo comunista chinês pode estar lhe vigiando.


Os fornecedores de dados de países democráticos precisam ser muito mais cuidadosos em seus negócios com empresas ligadas à China – está claro que a distopia de Big Data do Dragão Vermelho está usando dados ocidentais para cumprir sua agenda comunista e expandir seus tentáculos.


Com informações, ABC News e News.