-
11/02/2019 às 07h47

Olavo de Carvalho responde aos kantólatras do Grobo

Brasil
Olavo de Carvalho responde aos kantólatras do Grobo
Reprodução Terça Livre

Em sua conta oficial no Facebook, o Prof. Olavo de Carvalho respondeu à matéria de O Globo:


Um dos três kantólatras do Grobo escreve:


“— Olavo diz estar construindo uma comunidade de amigos em que todos pensam e querem a mesma coisa. Não é à toa que Kant seja um pensador que precisa ser deturpado. Para Kant, desacordo é bom, é assim que a gente cresce — diz Tourinho Peres.”


É a mistura tipicamente uspiana de analfabetismo funcional e malícia difamatória. A “comunidade” a que ele se refere vem da definição de amizade segundo Sto. Tomás de Aquino — “idem velle, idem nolle” — que de fato inspira os meus cursos. Mas só uma mente porca pode imaginar que o amar as mesmas coisas equivalha a repetir um discurso uniforme como o fazem, aliás, os três incapazes e toda a militância uspiana. O comum amor à verdade implica o desejo de buscá-la por meio da confrontação de hipóteses ao longo dos tempos (‘veritas filia temporis”), e nada o ilustra melhor que as discussões filosóficas entre homens sinceros, das quais tanto o círculo de amigos de Sto. Tomás quanto os meus alunos têm dado exemplos e que JAMAIS se viram no “centralismo democrático” uspiano-petista.

Se querem dar exemplo de tolerância democrática”, seus palhaços, mostrem-me UMA SÓ TESE CONSERVADORA OU ANTI-ESQUERDISTA QUE HAJAM UM DIA ORIENTADO E APROVADO.


Farsantes, difamadores abjetos.


O filósofo brasileiro também comentou em seu perfil que os “para examinar UMA ÚNICA das 460 aulas do COF, os covardões têm de se reunir em três, enquanto um quarto inverte o sentido de uma afirmação do Carpeaux [Otto Maria Carpeaux] para sujar a reputação do “guru bolsonariano”.


Os ataques diários feitos a um único pensador em quase todos os jornais com o intuito de difamá-lo, não refutando sequer uma de suas idéias, também foi lembrado por Olavo de Carvalho:


O número dos ataques DIÁRIOS a mim na mídia (especialmente Fôia) já elimina, na base, a condição indispensável de todo debate honesto. Professores e “especialistas” que opinam contra mim, felizes e seguros pela sua superioridade numérica, não são intelectuais, são apenas cães hidrófobos reunidos em matilha para evitar a possibilidade de uma resposta.